Notícias

Depois de Suzane agora foi a vez de Bruno ganhar regime aberto, o ex goleiro teve liberdade condicional decidida na Justiça

Bruno respondia pelo crime de assassinato de Eliza Samudio, mãe de seu filho.

O famoso goleiro que teve grande destaque no Flamengo, Bruno Fernandes, foi condenado a mais de 20 anos de prisão pelo assassinato de Eliza Samudio, mãe do seu filho, Bruninho. Ele ganhou liberdade condicional, decidida nesta quinta-feira (12) pela justiça.

A liberdade condicional de Bruno foi assinada pela juíza Ana Paula Abreu Filgueiras, da Vara de Execuções Penais, na data informada acima. Há mais de três anos ele tem cumprido pena de regime semiaberto domiciliar por conta do crime de assassinar sua ex-companheira.

Com a liberdade condicional, o ex-goleiro não precisa mais das limitações de horário para ficar ausente de sua residência. Contudo, há cada três meses é preciso se apresentar em qualquer unidade do Patronato Margarino Torres. A juíza também colocou na decisão que ele tem cumprido as determinações obrigatórias da prisão domiciliar, desde o ano de 2019. Com isso, não há nenhum impedimento para a concessão de livramento condicional.

Além do crime que tirou a vida de Eliza Samudio, mãe de seu filho, Bruno ainda esteve envolto de outros processos criminais. Foi condenado pela Justiça do MS a pagar uma indenização de R$ 650 mil ao filho que teve com Eliza, também teve prisão decretada por não pagamento de pensão. Após uma vaquinha online, quitou a dívida na Justiça, referente aos pagamentos obrigatórios da pensão.

Suzane Von Richthofen também ganha liberdade condicional

A liberdade condicional de Bruno Fernandes aconteceu um dia depois de Suzane Von Richthofen, que estava presa por assassinar os pais, seu caso teve progressão para regime aberto na quarta-feira (11). Ela estava cumprindo pena há 20 anos, em Tremembé, seus pais eram o casal Manfred e Marísia Richthofen.