Notícias

Jovem fingiu ter câncer para arrecadar dinheiro e aplicar golpes

A jovem gravou vídeos raspando o próprio cabelo para fazer campanhas e rifas a fim de arrecadar dinheiro. Ela enganou diversas pessoas e hospital nega que ela tenha sido paciente.

Camila Maria Barbosa de 27 anos foi indiciada pela Polícia Civil, acusada de fingir ter câncer e aplicar golpes. A jovem teria enganado vários ex-namorados e ex-sogras inventando histórias sobre a doença. De acordo com a investigação do delegado Fernando Gontijo, de Morrinhos, no sul do estado de Goiás, as mulheres ajudaram a fazer campanhas para arrecadar dinheiro para a jovem que até gravou vídeos raspando o próprio cabelo.

O delegado Fernando contou que algumas das vítimas foram até a delegacia para registrar ocorrência contra Camila. “Algumas vítimas compareceram à delegacia e registraram ocorrência, geralmente pessoas próximas a ela, como ex-namorados e ex-sogras, e que tiveram maior contato com a autora e realizaram doações de maior vulto econômico [maior valor]”, disse Fernando.

Camila Barbosa usou o Hospital Araújo Jorge, referência em tratamento oncológico da região, para registrar momentos dela em macas e assim confirmar que seguia fazendo quimioterapia como os demais doentes. Mais tarde foi descoberto que o local servia penas como “cenário” para seus vídeos e fotos.

Por meio de nota, o hospital conta que funcionários flagraram várias vezes a jovem no local tirando fotos em uma maca no Setor de Quimioterapia e usando cartão de identificação interno do hospital em nome de terceiros. Em todos os momentos ela foi retirada da instituição.

O advogado que defende Camila durante investigação disse que não irá se pronunciar sobre o caso. Quando intimada para depor sobre o suposto câncer de mama, a jovem não mostrou nenhum relatório ou exame médico que comprovasse a patologia.

Camila disse em depoimento à polícia que teve câncer há alguns anos, mas conseguiu ficar curada. Depois descobriu que a doença voltou após fazer exames para dengue e que já estava com metástase no intestino e pulmão. Ao delegado, Camilla afirmou que começou tratamento no Hospital Araújo Jorge, onde disse ter feito sete sessões de quimioterapia, mas que meses depois, a unidade médica perdeu o prontuário dela e encerrou o tratamento.

A Polícia Civil cumpriu mandado de busca e apreensão na casa de Camilla e encontrou diversos documentos e exames, que foram apreendidos juntos. O delegado afirmou que em nenhum dos exames foi possível constatar que Camilla tem de fato câncer.