PUBLICIDADE

Enfermeira morre com hepatite fulminante após consumir produto muito comum entre as mulheres

Mara Abreu, enfermeira, morreu após um transplante de fígado no Hospital das Clínicas, em São Paulo — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Mara Abreu, enfermeira que tomava cápsulas de chá emagrecedor, morreu nesta quinta-feira (3) após complicações de um transplante de fígado no Hospital das Clínicas de São Paulo.

Mara foi submetida a um transplante após uma hepatite fulminante. Segundo a família, os médicos suspeitavam que a hepatite fosse causada pela ingestão de uma cápsula de chá misturada com 50 ervas diferentes. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitiu nota nesta sexta-feira (4) alertando que o uso da marca de produtos “50 Ervas Emagrecedor” são proibidos no país desde 2020.

Uma gastroenterologista do Hospital das Clínicas envolvida no tratamento de Mara usou as redes sociais para alertar sobre os riscos de tomar chás emagrecedores.

Mara Abreu, 42, era enfermeira do Hospital Santa Joana. Seu corpo foi cremado e um velório foi realizado nesta sexta-feira (4) no Funeral Tatuapé, na zona leste da capital.

Familiar comentou a internação de Mara

O corpo da enfermeira rejeitou o fígado transplantado no último domingo e ela aguardava um novo doador, segundo sua prima, Márcia Cristina Oliveira. A mulher comentou que Mara não tinha problemas de saúde anteriores e nenhum outro medicamento.

PUBLICIDADE

Em entrevista ao site do G1, Márcia Cristina contou que sua prima foi internada no dia 18 com dores abdominais no hospital Santa Joana onde trabalha. Ela foi diagnosticada com problemas no fígado e sua condição se deteriorou rapidamente. No dia 21, Mara foi transferida para o Hospital das Clínicas e colocada em lista de espera para transplante de fígado.

PUBLICIDADE

Os médicos do HC investigaram os remédios por trás da hepatite induzida por drogas. A pedido da equipe médica, os familiares ajudaram na busca e encontraram o chá nas cápsulas.

PUBLICIDADE

“Aí a gente começou a fuçar as coisas dela, e encontramos na gaveta dela esse chá em cápsulas, e levamos para eles. Foi quando eles constataram, pela composição daquelas cápsulas, que tudo ali era prejudicial ao fígado”, disse Márcia.

Lembrete médico

PUBLICIDADE

Liliana Ducatti Lopes, cirurgiã digestiva e cirurgiã de transplante de fígado, disse nas redes sociais que uma paciente desenvolveu hepatite fulminante após tomar um chá emagrecedor com 50 ervas, que inclui chá verde, carqueja e cabo verde.

PUBLICIDADE

Em um vídeo postado no Instagram, Liliana disse que havia casos semelhantes na literatura médica, que não apresentava problemas de saúde anteriores e desenvolveu insuficiência hepática aguda muito grave.

“Na grande maioria das vezes [a causa] é medicamentosa. Alguns medicamentos, como anabolizantes e outras medicações usadas, por exemplo Roacutan. Mas, normalmente, se faz uso desses medicamentos com acompanhamento médico e exame de sangue para ver como está a saúde do fígado.”

No caso de Mara, no entanto, os médicos não sabiam sobre a medicação que poderia estar causando o problema até que sua família trouxe um frasco de chá para perda de peso contendo 50 ervas para o consultório, de acordo com Liliana.

Além do chá verde, a carqueja e a mata verde também são ervas conhecidas na literatura médica por serem prejudiciais ao fígado.

“Nós recomendamos não fazer o uso desse tipo de medicação: chá que desincha, chá detox, natural, erva… Não faça uso, desaconselhe as pessoas que você conhece. Isso tudo é charlatanismo e são descritos como hepatotóxicos, fazem mal para o fígado sim e podem levar à necessidade de um transplante de fígado.”


CONTINUAR LENDO →

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui