PUBLICIDADE

Irmãos mortos a facadas pela mãe estavam conscientes no momento do crime, revela laudo

Os irmãos Leonardo Ferreira da Silva, de 6 anos, e de Arthur Moisés Ferreira da Silva, de 3 anos, estavam conscientes quando foram esfaqueados pela mãe, Stephani Peixoto Ferreira, de 36 anos, Leonardo levou quatro golpes de facas e Arthur foi golpeado três vezes.

Na noite da última quinta-feira, a Polícia Civil recebeu os laudos do Instituto Médico Legal e exames toxicológicos, que foram anexados à investigação. Nos resultados obtidos ficou comprovado que ela não drogou os filhos antes de cometer o crime brutal contra os pequenos.

PUBLICIDADE

Após tirar a vida dos seu dois filhos, Stephani ligou para o marido e em seguida enviou um áudio para o pai falando do crime. No áudio ela chega a falar que iria se matar. Como resultado, ela chegou a cortar os pulsos, no entanto, conforme o laudo feito na dona de casa, os ferimentos foram superficiais que não causou a sua morte.

PUBLICIDADE

Stephany ao lado dos filhos, Bruno e Arthur, em uma postagem nas redes sociais Foto: Reprodução das redes sociais

PUBLICIDADE

Segundo o delegado Antonio Silvino Teixeira, responsável pela investigação, alguns dos ferimentos das vítimas foram classificados como ‘lesões de hesitação’, quando a pessoa causa ferimentos leves, antes de dar a facada mais profunda.

PUBLICIDADE

Em Leonardo havia duas lesões de hesitação e duas profundas e em Arthur havia uma de hesitação e duas profundas. Isso significa que Stephani estava ferindo aos poucos seus filhos, antes de dar as facadas profundas que resultaram nas mortes. Todos os ferimentos foram no peito das crianças.

O laudo é chocante

PUBLICIDADE

Um crime bárbaro e que abala até a gente que é mais experiente. Ela provocou essas “lesões de hesitação” como se fosse “um teste” da faca antes de dar o golpe mais profundo”, destacou o delegado.

Nas redes sociais, Stephany fez várias publicações exaltando o amor de ser mãe e o carinho pelos filhos Foto: Reprodução das redes sociais

Nesta sexta-feira, o marido de Stefani e pai dos filhos, Carlos Leonardo da Silva, voltou a prestar depoimentos. A polícia pretende investigar mais detalhes a respeito da briga do casal, que aconteceu na sexta-feira da semana passada.

O casal tentou se reconciliar por cinco vezes, no entanto, após um desentendimento que exigiu a intervenção do pai de Stephani, ocorreu uma nova separação. Desse modo segundo a polícia, o motivo mais provável para um crime cruel como esse é o desespero de uma dona de casa após um novo rompimento.

Stephani permanece no pronto-socorro do Complexo do Gericinó, para onde foi levada na última terça-feira. Ela aguarda audiência de custódia e a definição de qual unidade prisional ficará presa.