PUBLICIDADE

‘Trafigata’ chora ao ser presa, polícia expõe detalhes chocantes do motivo da detenção

A Justiça de Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba, ordenou novamente a prisão de Camila de Andrade Pires Marodim, conhecida como ‘trafigata’. O mandado de prisão foi cumprido no início da tarde desta quinta-feira (10). O motivo teria sido o descumprimento de uma ordem judicial.

“Nós recebemos hoje pela manhã a expedição desse mandado. Nós tínhamos uma possível localização antiga dela aqui em Piraquara e fomos verificar se ela estava no local. Ela estava em frente a residência e conseguimos efetuar a abordagem”, disse o capitão Antônio, do 29º Batalhão de Polícia Militar.

PUBLICIDADE

Segundo o capitão Antônio, do 29º Batalhão de Polícia Militar, Camila Marodin não reagiu à prisão, mas chorou muito.

PUBLICIDADE

“Ela não teve postura agressiva contra a equipe, só reagiu com choro e grito, em razão de não entender o porque do mandado de prisão. Não é surpresa, se envolveu no mundo crime é isso mesmo”, contou em entrevista.

PUBLICIDADE

O traficante estava em liberdade, usando tornozeleira eletrônica, desde o final de dezembro, quando a 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná concedeu habeas corpus, mais de um mês após ser detido na Operação Ostentação.

PUBLICIDADE

“O que temos informação é que ela descumpria as regras da tornozeleira eletrônica. Ela não informava os locais onde estava, os deslocamentos. Mas não tenho com precisão esses dados”, relatou o capitão Antônio.

Defesa

PUBLICIDADE

Em nota, o advogado Cláudio Dalledone, que representa Camila Marodin, disse que as violações do monitoramento da tornozeleira, que levaram à prisão, se devem à busca frenética para que ela se mantenha viva. Leia na íntegra:

“As violações do monitoramento da tornozeleira de Camila Marodin, que ensejou o pedido de prisão, se devem pela busca frenética dela se manter viva. O atentado sofrido por Camila Marodin, que é objeto de investigação das forças policiais do Paraná, foi uma das situações de ameaça de morte que ela enfrentou. A defesa de Camila Marodin confia no trabalho da Polícia Militar e da Polícia Civil do Paraná para identificar e prender os autores e possíveis mandantes da tentativa de homicídio contra ela”.

‘Trafigata’ e amigo sofrem atentado em Curitiba

Em 31 de janeiro, a traficante e um amigo foram baleados no bairro Alto Boqueirão, em Curitiba. Um vídeo capturado por câmeras de vigilância capturou o momento.

https://youtu.be/lqRb2TThGI4