Saúde e bem-estar

Antibióticos aumentam o risco de doença intestinal e você não sabe, diz estudo

A equipe de pesquisadores acompanhou um grupo de residentes do país entre 2000 e 2018. Durante o estudo, houve 36.017 novos casos de colite ulcerativa e 16.881 de doença de Crohn.

Um novo estudo publicado pela revista Gut, em parceria com a Sociedade Britânica de Gastroenterologia, explorou o impacto de antibióticos na flora intestinal, e os resultados são alarmantes. De acordo com a pesquisa, o uso cumulativo destes medicamentos ao longo da vida elevam os riscos de problemas graves no intestino, como colite ulcerativa e doença de Crohn – o que parece agravar um problema já bastante expressivo. Isso porque a Doença Inflamatória Intestinal (DII) – conjunto de sinais e sintomas que se manifestam, predominantemente, no cólon – já atinge quase 7 milhões de pessoas em todo o mundo.

A equipe de pesquisadores utilizou dados do Registo Nacional de Prescrições Dinamarquês e acompanhou um grupo de residentes do país entre 2000 e 2018. Mais de 6 milhões de indivíduos com idade igual ou superior a 10 anos e que não tinham diagnóstico prévio de DII foram incluídos na amostra e divididos conforme a faixa etária. No total, quase 91% receberam pelo menos um ciclo de antibióticos no período de levantamento das informações. Durante o estudo, houve 36.017 novos casos de colite ulcerativa e 16.881 de doença de Crohn.

O levantamento mostrou que cada ciclo de antibiótico contribuiu com o tempo de risco de 1 a 5 anos após a exposição. “Incluímos um intervalo para garantir, da melhor maneira possível, que os antibióticos utilizados não fossem para sintomas de doença inflamatória intestinal não diagnosticados”, explicou Adam Faye, um dos autores da pesquisa e médico de Saúde da População do Hospital NYU Langone Health, em Nova York.

Aa análises dos dados permitiu aos cientistas concluir que os antibióticos estão associados a uma probabilidade maior de ocorrerem doenças intestinais. “Levantamos a hipótese de que isso pode ser causado pelas alterações do microbioma intestinal, resultantes do uso de antibióticos”, conclui.

De acordo com o ministério da saúde, os sintomas da DII –
Doença Inflamatória Intestinal -, são:

– Desconforto abdominal;
– Sensação de barriga estufada;
– Dor;
– Cólicas;
– Alternância entre períodos de diarreia e de prisão de ventre;
– Flatulência (gases) exagerada.

Além disso, o paciente pode ter uma sensação de esvaziamento incompleto do intestino ao evacuar. Os sintomas podem piorar depois da ingestão de certos alimentos, como cafeína, álcool e comidas gordurosas, por exemplo. E, além do antibiótico, a doença tem ainda outras causas, como também aponta o Ministério da Saúde:

– Motilidade anormal do intestino delgado durante o jejum, contrações exageradas depois da ingestão de alimentos gordurosos ou em resposta ao estresse;
– Hipersensibilidade dos receptores nervosos da parede intestinal à falta de oxigênio, distensão, conteúdo fecal, infecção e às alterações psicológicas;
– Níveis elevados de neurotransmissores (como a serotonina, por exemplo) no sangue e no intestino grosso;
– Infecções e processos inflamatórios;
– Depressão e ansiedade.